São Nicolau é o verdadeiro Papai Noel

Por

Há séculos, ele está em missão sagrada: no dia 6 de dezembro, a Europa comemora o dia de São Nicolau, o verdadeiro Papai Noel. Na véspera, colocam-se calçados diante da porta para o bom velhinho deixar doces.

A caminho com cajado e mitra

São Nicolau foi um bispo católico no século 4°. Ele vivia na cidade de Myra, hoje Demre, na Turquia. A lenda conta que o filho de pais ricos distribuiu toda a sua fortuna para os pobres. São Nicolau é considerado um prenúncio do Menino Jesus e se tornou, em quase todos os lugares, um símbolo da época natalina.

Corrida natalina

Há mais de 70 anos, o atual gordinho de roupas vermelhas tem disputado o lugar do velhinho de vestes brancas. Tudo começou em 1931, quando a multinacional Coca-Cola lançou uma propaganda com a nova versão de “Santa Claus”. Hoje, ele também é visto em eventos esportivos, como essa corrida de Papais Noéis em Michendorf, no estado alemão de Brandemburgo.

Frio não é problema

No congresso mundial de Papais Noéis, que acontece no verão europeu em Copenhague, capital da Dinamarca, centenas de homens e também cada vez mais mulheres, provenientes de dezenas de países, se preparam para a estressante temporada de compras natalinas.

Na esteira de produção

O papai-noel comestível surgiu já em 1820. Os primeiros exemplares ainda eram feitos a mão e inteiramente de chocolate. Atualmente, o chocolate derretido é derramado em moldes para formar papais-noéis ocos por dentro. Todos os anos, são produzidos 150 milhões desses papais-noéis de chocolate na Alemanha.

Sapato na porta

Na noite de 5 para 6 de dezembro, as crianças colocam um calçado do lado de fora da porta, esperando receber chocolates de São Nicolau. Ou ele aparece em pessoa, em creches e jardins de infância.

Acompanhante do Papai Noel

Em muitas comunidades católicas, o Papai Noel é acompanhado por uma espécie de bicho-papão. Com saco e vara, ele amedronta as crianças desobedientes. Na Alemanha, ele é conhecido como “Knecht Ruprecht”; na França, como “Père Fouettard”; na Holanda; como “Zwarte Piet”; na Suíça, como “Schmutzli” e como “Krampus” na Áustria e sul da Alemanha.

Grande comitiva

No sul da Alemanha, figuras selvagens vestidas de pele e palha, chamados de “Buttnmandl”, acompanham o Nicolau de porta em porta com chocalhos e gritos, para espantar os maus espíritos. Na região de Berchtesgaden, na Baviera, o antigo ritual pagão foi integrado ao longo do tempo na tradição cristã e se tornou um espetáculo popular, que pode ser assistido nos dias 5 e 6 de dezembro.

Visita amiga

Na escolha de seu meio de transporte, o Papai Noel tem de ser flexível. Seja de bicicleta na Alemanha, de trenó puxado por renas na Finlândia ou a dromedário, como aqui na região do Mar Vermelho no Egito – graças à barba branca, manto adornado com pele e gorro, ele também é facilmente reconhecível em regiões de fé muçulmana.

Rápido como um raio

Esta foto de uma câmera de radar da polícia mostra um Papai Noel sendo guiado por seu motorista em Munique. O veículo ultrapassou o limite de velocidade permitido. Dada a pressão em que o Papai Noel trabalha atualmente para atender aos seus compromissos, os policiais fizeram somente uma advertência.

Onipresente

Como o Papai Noel consegue estar ao mesmo tempo em diferentes lugares do mundo, isso permanecerá para sempre um segredo. Certo é que ele vai voltar no próximo ano e continuará sua rota também nos céus sobre o Lago de Genebra.

Fonte: DW

SIGA-NOS

9,705SeguidoresSeguir
36,840SeguidoresSeguir
Paula Tooths
Paula Tooths
Jornalista, produtora de TV e escritora, autora de sete títulos publicados no Reino Unido. | Londres - Miami

MEC estuda restabelecer cotas na pós-graduação

O Ministério da Educação (MEC) tornou sem efeito uma portaria, assinada pelo ex-ministro Abraham Weintraub, que acabava com cotas para negros, indígenas e pessoas com...

A Alemanha colonialista

"Nosso futuro está na água" Sob o chanceler Otto von Bismarck, o Império Alemão estabeleceu colônias nos atuais territórios da Namíbia, Camarões, Togo, partes da...

Coronavírus: Indígenas no Amazonas isolados para fugir da contaminação

A iminente chegada do coronavírus fez com que cerca de 150 indígenas procurassem refúgio no seio da Floresta Amazónica para evitar o contágio entre...