Refugiados & Analfabetismo

Por

Cerca de 17% dos participantes de cursos de integração de estrangeiros na Alemanha não sabem ler nem escrever, declarou o diretor do Departamento Federal para Migração e Refugiados (Bamf), Hans-Eckhard Sommer, ao jornal Rheinische Post. O fato dificulta seriamente o aprendizado do idioma alemão.

A maioria desses analfabetos são refugiados. Por outro lado, Sommer avalia como muito elevada a motivação de aprender: dos que antes não sabiam ler ou escrever, 13% alcançam o nível B1, equivalente a seis anos de aulas escolares de idioma estrangeiro. Outros 40% ao menos alcançam o nível A2, ligeiramente inferior, e “isso é um grande mérito”.

Ainda assim, o grande número de analfabetos representa um problema para a inclusão no mercado de trabalho alemão. Mas o Bamf “sempre esteve ciente que apenas pouca força de trabalho chega pelo caminho da fuga”, assegura Sommer. Entre os refugiados, no momento 450 mil estão registrados para busca de trabalho.

Para a aquisição de mão de obra, contudo, é melhor apostar nos imigrantes da Europa: no sul do continente há muitos desempregados e jovens bem profissionalizados, e “recrutá-los como força de trabalho para a Alemanha seria significativamente mais fácil, do ponto de vista da integração”, e tampouco há obstáculos legais. Sommer saúda que essa seja a abordagem de Berlim em relação à mão de obra especializada.

Por outro lado, o chefe do Departamento para Migração desaconselha a contratação de trabalhadores especializados de países em desenvolvimento. A consequência de “por exemplo, trazer para a Alemanha um grande número de pessoas bem treinadas de Estados pouco desenvolvidos, é tornar o desenvolvimento em seus países natais ainda mais difícil”.

“Devemos, antes, criar possibilidades de formação profissional e postos de trabalho nesses países. Se não incentivarmos, ou até mesmo travarmos o desenvolvimento desses Estados, corremos o perigo de estar criando, nós mesmos, os próximos refugiados.”

Além da falta de alfabetização, Sommer aponta como crítica a dificuldade de determinar a identidade de grande parte dos refugiados. “Só uns 45% dos requerentes de refúgio trazem consigo documentos de identificação”, nos demais casos, fica-se dependendo dos dados que fornecem.

Pelo menos não é mais possível migrantes solicitarem refúgio sob diferentes identidades, informou Sommer. Agora suas alegações são verificadas através de diversos procedimentos de informática, como o reconhecimento de fala ou o exame dos dados de telefones celulares, o qual deve ser realizado o mais breve possível após a chegada. “Depois de alguns dias de permanência na Alemanha, em geral os refugiados não mais entregam os celulares trazidos consigo.”

Fonte: DW

SIGA-NOS

9,705SeguidoresSeguir
36,382SeguidoresSeguir
Paula Tooths
Paula Tooths
Jornalista, produtora de TV e escritora, autora de sete títulos publicados no Reino Unido. | Londres - Miami

Justiça do Trabalho proíbe prefeitura de Cuiabá de assédio moral a profissionais da saúde

Após uma denúncia  do Sindicato dos Médicos de Mato Grosso (Sindimed -MT) de prática de assédio moral e perseguições com transferências de médicos  e...

Rally RN1500: “Foi um belo desafio”, diz Cristiano Rocha

Prova com roteiro entre a Paraíba e o Rio Grande do Norte contou pontos para o Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country Brasil, Mossoró (RN),...

Eppendorf lança e-shop para atender demanda crescente durante a pandemia

Devido à pandemia, o mercado de vendas pela internet teve um aumento significativo nos últimos seis meses. Um levantamento da empresa de inteligência de...