ONU: população mundial tem preconceito contra as mulheres

Por

90% da população mundial, homens e mulheres, tem algum tipo de preconceito contra as mulheres, segundo um estudo efetuado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

A análise baseia-se em sete perguntas sobre diferentes âmbitos, como política, educação ou economia, que segundo o PNUD mostram que as distorções contra as mulheres continuam muito presentes no mundo, tanto entre os homens como entre as próprias mulheres.

Segundo o relatório, aproximadamente metade da população considera que os homens são melhores líderes políticos que as mulheres e mais de 40% considera-os melhores executivos empresariais.

Além disso, 28% dos consultados opina que está justificado que um homem bata na sua esposa.

Segundo o PNUD, quase 90% dos interrogados têm pelo menos uma distorção contra as mulheres dentro das sete áreas que se estudam, enquanto mais de dois terços tem duas ou mais distorções.

GRANDES DIFERENÇAS ENTRE PAÍSES 

As diferenças entre países, no entanto, são enormes. Enquanto em diversas nações africanas, asiáticas, latino-americanas e do Médio Oriente praticamente todos os consultados têm pelo menos um preconceito, na Europa, Austrália, Canadá ou Estados Unidos as percentagens são muito menores.

Por exemplo, 98,3% da população da Índia tem pelo menos uma distorção de género e 83,2 têm duas ou mais.

As percentagens são parecidas em lugares tão díspares como Argélia, Haiti, Kuwait, Mali, Ruanda ou Palestina.

Na América Latina, as percentagens também são altas, embora com algumas diferenças relevantes. Por exemplo, em países como Equador ou Colômbia, mais de 90% dos interrogados tinha pelo menos uma distorção contra as mulheres, enquanto essa percentagem baixa a cerca de 75% em outros como Argentina, Chile ou Uruguai.

Em Espanha, a sondagem revela que metade das pessoas tem um preconceito contra as mulheres, enquanto uma em cada quatro tem duas ou mais, segundo o estudo.

Essa percentagem é parecida à de países como França, Canadá ou Reino Unido e ligeiramente inferior à dos Estados Unidos.

As percentagens mais baixas entre as nações para as quais há dados registam-se em lugares como Andorra, Suécia e Holanda.

O estudo abrange 75 países, que representam 81% da população mundial.

RETROCESSO EM ALGUNS PAÍSES 

O PNUD tem à sua disposição dados anteriores para cerca de metade destas nações, permitindo comparar e analisar a evolução da percepção da mulher.

A conclusão, segundo a agência da ONU, é preocupante. Em média, a proporção de pessoas com uma distorção moderada ou alta (dois preconceitos ou mais) cresceu de 57% a 60% entre as mulheres e d 70% a 71% entre os homens do período 2005-2009 a 2010-2014.

Ou seja, ao invés de progredir foi registado um retrocesso, que os especialistas vinculam a uma crescente reação à volta do mundo aos objetivos feministas.

Fonte: EFE

SIGA-NOS

9,705SeguidoresSeguir
36,807SeguidoresSeguir
Paula Tooths
Paula Tooths
Jornalista, produtora de TV e escritora, autora de sete títulos publicados no Reino Unido. | Londres - Miami

A teoria dos cinco apetites

Se os animais sabem como manter uma dieta equilibrada, por que os humanos não? Como os biólogos e nutricionistas australianos David Raubenheimer e Stephen J....

Jornalista estreia série de podcasts baseada em áudios do WhatsApp

Com temas variados, podcast é um formato de programa de áudio online, que existe há mais de uma década. Em tempos de pandemia, as...

Aline Mendes e Natália Carvalho fazem live sobre relacionamentos abusivos

Brasil - Goiânia, julho de 2020 - Nesta terça-feira 07 de julho, a partir das 19h00,  as professoras universitárias Aline F. Mendes e Natália...