Skincare na quarentena: o uso excessivo de eletrônicos exige cuidados redobrados com a pele

Por

Luz azul emitida por celulares, notes e tablets provoca envelhecimento precoce, manchas, rugas e flacidez

Mesmo trabalhando em casa, com pouco exposição ao sol, os cuidados com a pele não podem parar. O aumento da exposição a luz visível e a luz azul presente nos dispositivos eletrônicos, causam diversos problemas como o envelhecimento precoce, a hiperpigmentação ou aumento do melasma, inflamação cutânea e secura, rugas no pescoço e a flacidez no rosto, alerta a dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Alessandra Serquiz.

A luz azul que penetra na camada mais profunda da pele, ocasiona o envelhecimento da pele e a perda de colágeno e elastina, com o consequente aumento das rugas. Já a hiperpigmentação é o escurecimento da pele pelo aumento da produção da melanina, que provoca manchas e tons irregulares no rosto. “Ao receber grandes quantidades de luz, a pele fica produzindo mais melanina, o que gera o aumento das manchas”, alerta a dermatologista.

Assim como nossos olhos ficam irritados com altos índices de exposição à luz, esse excesso pode causar ainda a inflamação cutânea e secura. “Embora menos visíveis, as camadas externas de nossa derme sofrem com essa superexposição e reagem à agressão por inflamação e ressecamento”.

A especialista ressalta que os cuidados faciais devem seguir a mesma rotina do dia-a-dia fora de casa: limpar, tonificar, hidratar e proteger, pela manhã e repetidos à noite, com exceção da proteção, e o acréscimo de uma creme ou sérum de vitamina C. “Os principais cuidados são a manutenção do uso do protetor solar mesmo em casa, associado a um hidratante e antioxidante para combater a formação de radicais livres, como a vitamina C e E por exemplo”, explica a dermatologista, acrescentando que ingerir bastante água também é fundamental para uma pele saudável.

Outro ponto importante a ser observado neste período de home office é para evitar o ‘text neck’, traduzindo ‘pescoço de texto’, que designa a posição que permanecemos ao acessar o celular, tablet ou notebook, que tem como consequência as indesejadas rugas no pescoço. “A única forma de evitar essas linhas, no entanto, é com reeducação postural. Quando estiver no computador, evite usá-lo no colo e sempre tente suspendê-lo de forma que a tela esteja na linha dos olhos, evitando inclinação do pescoço”.

Corpo também pede cuidados

Como o trabalho têm sido exclusivamente em casa, é comum exceder o prazo para concluir alguma tarefa, por estarmos na comodidade de nossos lares. Por isso a especialista alerta que, além da atenção com a face, não se deve esquecer dos cuidados com o corpo. A recomendação é reeducação postural, evitando a hiperflexão do pescoço por longos períodos. “De 30 em 30 minutos tente alongar a coluna, puxar e segurar o joelho contra o peito, alongar os braços para cima, frente e lados, procure andar por alguns segundos e depois continue no seu trabalho. Para os que podem reduzir o tempo gasto em frente às telas dos aparelhos eletrônicos, faz bem para a pele e também para a mente, principalmente nesse período de muita informação”, orienta Alessandra.

SIGA-NOS

9,705SeguidoresSeguir
36,270SeguidoresSeguir
Fabricio Magalhães
Fabricio Magalhães
Jornalista, diretor executivo do Grupo A Hora.

O mistério da abundância de ouro no Universo

O estoque subterrâneo de reservas de ouro no planeta é estimado atualmente em cerca de 50 mil toneladas, de acordo com o Serviço Geológico...

80 anos de “O grande ditador”

Há 80 anos, em 15 de outubro de 1940, o filme O grande ditador, de Charlie Chaplin, estreou em Nova York. Quando foi exibida em Londres,...

Há 50 anos, morria Janis Joplin

Em 25 de junho de 1970, durante uma entrevista, o apresentador de televisão Dick Cavett pergunta a uma jovem de vestido roxo e inúmeros...